FEJAMA

Saber cada dia um pouco mais,
utilizando o saber para o bem, é o
caminho do verdadeiro judoca.

icon-simbolo-japones

Derly e Guilheiro sobem de categoria

Derly e Guilheiro sobem de categoria


João Derly e Leandro Guilheiro vão mudar de categoria. A partir do Grand Slam de Tóquio, Derly, bicampeão mundial dos meio-leves (até 66kg), competirá no peso leve (até 73kg). Já Guilheiro, duas vezes medalhista olímpico de bronze no leve, lutará no meio-médio (até 81kg). A decisão de subir de peso foi solicitada pelos atletas à comissão técnica Confederação Brasileira de Judô, que avaliou exames médicos, físicos, antropométricos, nutricionais e fisiológicos dos judocas para concordar com a mudança.

“Subi tendo consciência de que daria uns passos para trás para colher frutos a médio prazo. Estou pronto para o que der e vier”, afirma Guilheiro, que ganhou massa muscular nos últimos anos para fortalecer as articulações e a coluna, que sofreram com cirurgias e lesões recentemente. “Nunca tinha tido problema de peso, mas com o ganho de músculo ficou mais difícil me manter no 73kg. Não agüentaria essa rotina por mais três anos”, afirmou o judoca santista.

Guilheiro emendou a participação no Campeonato Mundial de Roterdã com férias e a apresentação ao Exército, já que faz parte da equipe pré-convocada para os Jogos Mundiais Militares de 2011.

“Ainda não tive tempo para engrenar a preparação ideal para a nova categoria. Lutei o Grand Prix Nacional pelo Pinheiros no meio-médio e me senti bem, mas meu peso ainda está bem abaixo dos 81kg”, diz o medalhista olímpico, acreditando que as mudanças de regras da Federação Internacional de Judô vão favorecer o seu estilo de luta. “Tenho meu estilo de lutar e acho que essas mudanças podem ser boas. Ainda não estarei 100% para Tóquio. Tenho que saber esperar o resultado. Vou trabalhar bastante, vai ser bem duro. Meu treino vai mudar em vários aspectos”, completa Guilheiro.

João Derly também experimentou a nova categoria no Grand Prix Nacional, do qual participou defendendo as cores da Sogipa. O judoca gaúcho, que conquistou suas primeiras medalhas internacionais ainda no ligeiro, entrou para a história como primeiro campeão mundial do judô brasileiro no meio-leve, justamente no ano em que começou a competir no novo peso (2005). Na época, Derly disse que o bom resultado só foi possível devido à passagem de categoria.

Para o coordenador técnico da seleção brasileira, Ney Wilson, a decisão diminuirá o desgaste ao longo das temporadas por vir:

“Recebemos as solicitações dos atletas e, a partir de avaliações médicas, físicas e fisiológicas, julgamos que a mudança de categoria será boa para ambos. Eles vêm de dois ciclos olímpicos seguidos em altíssimo rendimento e os próximos anos até Londres 2012 prometem ser bastante puxados. A subida de peso evitará o desgaste excessivo e as lesões”, afirma Ney Wilson. “É preciso iniciar a classificação olímpica em maio de 2010 muito bem fisicamente, já que serão muitas competições seguidas e lidar com perda de peso não é bom”, completa o coordenador.

Como o calendário da Federação Internacional de Judô começa em maio, os atletas terão até lá para se adaptar ao novo peso.

“Teremos sete meses para que eles absorvam as mudanças em relação ao peso, força e estatura dos adversários”, explica Ney Wilson. “Mas é preciso ter consciência de que não se carrega automaticamente a bagagem de uma categoria para a outra. Um exemplo é o Tiago Camilo, que teve um 2007 e 2008 fantásticos e, em 2009, no peso médio, não conseguiu os mesmos resultados devido à adaptação”, alerta.

Além de Guilheiro, Derly e Camilo (que logo após os Jogos Olímpicos de Pequim anunciou que passaria do meio-médio para o médio, até 90kg), também mudam de peso Mayra Aguiar, titular do médio (70kg) na China e que compete agora no 78kg, e Maria Portela, que foi ao Mundial 2009 no 70kg e desce para o meio-médio (63kg).

“Mayra ainda está em desenvolvimento. Só no último ano ganhou 4cm de altura. É natural que mude de categoria. Ela está muito forte no meio-pesado. Já a Maria tem baixa estatura e avaliamos que ela tinha peso a perder para encontrar sua melhor categoria”, diz Ney Wilson.